Festival Bon Odori: celebração da cultura japonesa em Ipatinga

50
Bon Odori, em Ipatinga, nos anos de 1970 e nas celebrações dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil pela ANBI. Crédito das fotos: NSAS/Divulgação

Festividade acontece desde a década de 1970, com a chegada dos japoneses da Nippon Steel Corporation para a construção da Usiminas e se tornou uma herança cultural do Vale do Aço até os dias atuais

 

- PUBLICIDADE -

Os quimonos de cores fortes são embalados pela dança de movimentos firmes e discretos. Ao som dos tambores taiko, as mulheres em roda abanam leques e tecidos no ritmo alegre das músicas tradicionais. São mais de 600 anos de história que rondam o Bon Odori – a maior festividade do verão japonês. Quem estiver em Ipatinga no próximo sábado (19) pode participar de mais uma edição da festa. Com entrada gratuita e venda de sushi antecipada, o evento acontece na sede da escola de artes marciais Dojo Minamoto Aikido, localizada na Rua Suíça, 36, no bairro Cariru, a partir das 19 horas.

A escolha do horário do festival tem um motivo. A tradição budista acredita que os espíritos de seus ancestrais voltam para suas casas depois do pôr do sol para se reunir com as suas famílias durante o Bon. O termo Odori refere-se à parte festiva que inclui a tradicional dança. Promovido pela Associação Nipo Brasileira de Ipatinga (ANBI), o Bon Odori é celebrado desde a fundação da entidade em 1968. Durante anos, foi realizado entre os prédios do bairro Cariru, onde viviam os expatriados e até hoje faz parte do calendário oficial da cidade.

São várias gerações de ipatinguenses que tiveram a oportunidade de participar do Bon Odori – trazido pelos japoneses da Nippon Steel Corporation que imigraram para o Leste de Minas Gerais para contribuir com a construção da Usiminas. Como é o caso do brasileiro Antônio de Pádua Costa, o Toninho, que recorda do festival ainda nos anos de 1970. “Eram lindas, eles se vestiam com aquelas roupas típicas. Papai levava a gente, achávamos tudo muito diferente, mas muito bonito”, conta.

O legado cultural japonês que ainda permeia as esquinas de Ipatinga está nos nomes das ruas, avenidas e prédios – diferenciando a cidade mineira das demais. A ousada união entre brasileiros e japoneses pelo objetivo comum de construir uma usina siderúrgica foi uma decisão histórica e carregada de simbolismo para a Nippon Steel Corporation. Cerca de 500 famílias foram enviadas do Japão rumo ao que seria o Vale do Aço – no primeiro investimento da empresa em um país estrangeiro depois da 2ª Guerra Mundial.

A tradição secular japonesa do Bon Odori se enraizou em solo mineiro e tem na cidade de Ipatinga o símbolo exponencial da união entre as duas culturas no Estado. Em 2019, o festival lembra os 111 anos da imigração japonesa no Brasil e a chegada da nova era imperial do Japão, proclamada no início do ano cujo significado une dois ideogramas: esplendor e paz.

SOBRE A NIPPON STEEL CORPORATION

No Brasil, a Nippon Steel Corporation colabora há mais de 60 anos com a Usiminas e com o Vale do Aço e é, atualmente, uma das acionistas controladoras da siderúrgica mineira. É líder mundial em produção integrada de aço, opera 13 usinas no Japão e desenvolve diversos negócios siderúrgicos em mais de 21 países. A empresa enfatiza três áreas de negócios como estratégicas: produtos de aço de alta qualidade para automóveis; recursos e energia; e engenharia civil, construção e ferrovias. Atua em quatro segmentos: siderurgia, engenharia, produtos químicos/novos materiais e soluções de sistemas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentario!
Por favor, escreva seu nome aqui