Cebus recebe filhote de cachorro do mato pelo Fauna sem Lar

31
Fotos: Marcele Pena

Ipatinga – O Centro de Biodiversidade da Usipa (Cebus) recebeu, na última sexta-feira (23), um filhote de cachorro do mato. O animal foi encontrado sem a mãe em Governador Valadares e trazido pela Polícia Militar de Meio Ambiente para o Cebus.

De acordo com o médico-veterinário responsável pelo Cebus, Lélio Costa e Silva, o animal apresenta ecto e endoparasitas (carrapatos e vermes), mas de forma geral, está bem de saúde. “Ele foi examinado e já iniciamos o tratamento para combater os vermes e os carrapatos. Acreditamos que o animalzinho tenha cerca de três meses de vida”, avalia Lélio.

- PUBLICIDADE -

A partir de agora, o animalzinho receberá todos os cuidados possíveis até que tenha condições de retornar à natureza.

Fotos: Marcele Pena 

Mais sobre o cachorro do mato

O Brasil possui seis espécies de canídeos silvestres. São eles o lobo-guará (nome científico Chrysocyon brachyurus), o cachorro-do-mato-de-orelha-curta (nome científico Atelocynus microtis), a raposa-do-campo (nome científico Lycalopex vetulus), o graxaim-do-campo (nome científico Pseudalopex gymnocercus), o cachorro do mato vinagre (nome científico Speothos venaticus) e o cachorro-do-mato (nome científico Cerdocyon thous), o mais comum entre todos e que também está presente em nossa região.

O animal acolhido na última sexta-feira é da espécie Cerdocyon thous. A pelagem predominante é de cor cinza com preto, mas pode variar para marrom-claro; as patas são pretas ou têm um tom bastante escuro. De porte médio, quando adulto atinge, em média, 64 centímetros de comprimento, desconsiderando-se a sua cauda, a qual possui mais 31 centímetros.

Normalmente, os cachorros do mato habitam áreas abertas, campos e cerrados. É um animal territorialista e pode ser observado em grupos compreendendo um casal de adultos com até cinco filhotes. É usualmente um caçador solitário e raramente caça em pares. A dieta onívora varia dependendo da estação, mas geralmente incluem grandes proporções de frutos, contribuindo para a dispersão de sementes, e pequenos mamíferos. Eles também podem se alimentar de insetos, aranhas, aves, répteis e anfíbios.

A principal ameaça potencial são doenças transmitidas por cães domésticos. Por isso, é importante a proibição do acesso de cães em áreas preservadas e Unidades de Conservação.

Fauna sem Lar

O acolhimento ao pequeno cachorro do mato faz parte do Programa de Reabilitação da Fauna Sem Lar, ação conjunta entre o Cebus, o Instituto Estadual de Florestas (IEF), a Associação Regional de Proteção Ambiental do Vale do Aço (ARPAVA), a Polícia Militar de Minas Gerais, o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, a Promotoria de Meio Ambiente de Ipatinga (MG) e a Usiminas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentario!
Por favor, escreva seu nome aqui