Fashion Revolution discute moda e consumo consciente no Vale do Aço

263

Movimento global ganha força e terá programação diversificada na região no final de; A maioria das atividades é gratuita, aberta a comunidade e já abriu inscrições

- PUBLICIDADE -

Você sabe de onde veio a roupa que está vestindo hoje? Quem fez e em quais condições? Quais materiais foram usados em sua confecção? E para onde esta peça vai quando “estiver fora de moda” ou não servir mais? O Fashion Revolution, movimento mundial que repercute aqui na região neste final do mês de abril, fala exatamente sobre isso. Presente em mais de 90 países, e pela segunda vez no Vale do Aço, o Fashion Revolution incentiva uma maior transparência, sustentabilidade e ética na indústria da moda.

“Não se trata de deixar de produzir, vender ou comprar. O objetivo do Fashion Revolution é ampliar a discussão e conscientizar sobre o verdadeiro custo da moda. É urgente buscar soluções sustentáveis e mudar a maneira como as roupas são produzidas e consumidas para que elas sejam feitas de maneira mais segura, limpa e justa”, explica Patrícia Barbosa, advogada, designer e representante do Fashion Revolution no Vale do Aço.

As atividades acontecerão entre os dias 23 e 27 de abril, em Timóteo, Ipatinga e Coronel Fabriciano. Este ano, pelo menos 30 marcas locais ligadas à cadeia da moda consciente, profissionais de diversas áreas, entidades como Fiemg, Sindvest, Sebrae, Sesc e Fundação Aperan; instituições de ensino como Unileste, Cefet – Campus Timóteo, Colégio Angélica, CECMG; OAB/MG – Comissão de Direito da Moda e poder público “vestiram a camisa” do Fashion Revolution. A programação inclui palestra, mesas de discussão, mostras de documentários, oficina, guarda-roupa itinerante para troca de peças usadas e um desfile com roupas e acessórios criados por designer da região com jeans que seriam descartados. Exceto a palestra, todas as atividades são gratuitas e precisam de inscrição prévia. (Programação completa ao final da reportagem).

MOVIMENTO MUNDIAL

O Fashion Revolution surgiu em Londres, em resposta a um episódio conhecido como a catástrofe de Rana Plaza. Em 24 de abril de 2013, mais de mil pessoas morreram e outras 2,5 mil ficaram feridas após o desabamento de um complexo de prédios em Bangladesh. As vítimas da tragédia, a maioria mulheres, eram mantidas em condições de trabalho escravo e produziam para confecções de marcas globais. A tragédia acendeu sobre uma moda consciente e, desde então, o Fashion Revolution desenvolve ações mobilizadoras e incentiva os consumidores a questionarem as marcas: “Quem fez minhas roupas?”.

Fashion Rev_Quem fez minhas roupas (1)

REVOLUÇÃO DA MODA

A indústria da moda é a segunda mais poluente do mundo, só perde para a petrolífera. A situação se agravou com o crescimento do “fast fashion”. O termo se refere ao varejo de alta velocidade, que gera 100 bilhões de peças por ano. As coleções mudam a cada 4 ou 6 semanas, pressionam o consumismo desenfreado e, consequentemente, mais recursos naturais para confecção de novas peças. O resultado é uma quantidade enorme de roupas descartadas em aterros – são 26 toneladas de resíduos têxteis por dia só em São Paulo. Mais de 80% poderia ser reaproveitada.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO

Segunda-feira, 23/04

Escambo Fashion Revolution (Guarda-roupas itinerante).

9h às 12h – Ipatinga: praça do bairro Cidade Nobre

14h às 16h – Coronel Fabriciano: Praça Louis Ensch (em frente à Prefeitura)

18h às 20h – Timóteo: Praça do Coliseu, bairro Timirim

Terça-feira, 24/04

Apresentação do Movimento Fashion Revolution em escolas e faculdades da região (interno) Escolas agendas em Timóteo, Coronel Fabriciano e Ipatinga

Oficina de Customização para Crianças e estamparia (inscrição pelo Sympla – gratuito)

19h às 21h – Espaço Casa de Filosofia e Arte Ângela Ataíde, bairro Funcionários – Timóteo.

Mostra de Documentários no Unileste (interno – para estudantes da instituição)

15h – The True Cost, 2015 (1h32m)

Explora a ligação entre a pressão dos consumidores por alta costura de baixo custo e a exploração de trabalhadores nas fábricas.

 

19h – River Blue, 2016 (1h35m)

RiverBlue é um documentário canadense que faz uma viagem ao redor do mundo por via fluvial. Mostra a poluição dos rios causada pelo processo de tingimento de tecidos, lavanderias de jeans e curtumes de couros, seu efeito sobre a humanidade e as soluções que inspiram a esperança por um futuro sustentável.

Quarta-feira, 25/04

Desfile Fashion Revolution (retirada de convite no local)

20h – Fundação Aperam, Centro Comercial de Acesita – Timóteo.

 

Quinta-feira, 26/04

Encontro da Cadeia Produtiva do Negócio da Moda (inscrição pelo SymplaC)

18h30 – Auditório da Fiemg/Regional Vale do Aço, bairro Cidade Nobre – Ipatinga.

 

* R$ 10 – associados e R$ 20, não associados da Fiemg/Sindvest

 

Sexta-feira, 27/04

Mostra de documentários com debate.  

Em Timóteo: DaMa Espaço Cultural, no bairro Timirim (inscrição pelo Sympla – gratuito)

15h – The True Cost, 2015 (1h32m)

19h – River Blue, 2016 (1h35m)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentario!
Por favor, escreva seu nome aqui