Moradores de Revés fazem mutirão para construir quadra esportiva no distrito

369

Elaboração do projeto com a comunidade de Revés

A praça e a área esportiva serão construídas em um terreno ao lado da Escola Estadual João Paulo II. De acordo com a gerente de território Calha do Rio Doce, Mariana Azevedo da Silva, o mutirão contará com a participação de moradores e colaboradores voluntários da Fundação Renova e da Prefeitura Municipal de Bom Jesus do Galho.Moradores de Revés de Belém, distrito do município de Bom Jesus do Galho, no Vale do Aço, terão um final de semana diferente, no próximo sábado (8) e domingo (9). Eles se mobilizarão em um mutirão para construir uma área para atividades esportivas e lazer, e para reformar uma quadra poliesportiva. A ação faz parte da Vivência Oasis, uma ação do Instituto Elos em convênio com a Fundação Renova.

- PUBLICIDADE -

“É muito importante que Revés do Belém tenha a oportunidade de vivenciar experiências como esta, pois proporciona um envolvimento fundamental para o senso de pertencimento, além de mostrar, na prática, como a organização social comunitária tem um potencial transformador dentro de uma localidade. A união dos saberes locais desperta para o descobrimento da capacidade e papel que cada uma das pessoas exerce dentro de uma sociedade. Estamos vivendo isso na prática e está sendo maravilhoso”, destaca Mariana Azevedo

Ainda segundo Mariana, a ação vai acontecer das 9h às 18h. “Em dois dias, o mutirão vai transformar o local a partir de sonhos escolhidos por moradores da comunidade. A ideia é criar uma área de interação e uso coletivo, estimulando a solidariedade e parcerias, além de gerar conhecimento para que essa prática possa ser replicada pelos participantes em outros projetos comunitários”.

A nova praça de Revés do Belém terá área de lazer para crianças, adultos e idosos, com brinquedos, equipamentos de ginástica e pista para caminhada. Um espaço será delimitado para a prática esportiva, onde, futuramente, poderá ser uma quadra para os alunos da escola e comunidade. Antes disso, uma quadra poliesportiva que fica próximo ao terreno onde acontecerá a ação vai passar por uma reforma feita também pelos envolvidos no mutirão.

Reunião de representantes da Prefeitura de Bom Jesus e do grupo Oasis

Fundação Renova e Instituto Elos

O convênio entre o Instituto Elos e a Fundação Renova contém projetos relacionados à formação de jovens e ao fortalecimento de comunidades, na construção de legados socioambientais e econômicos a partir do desenvolvimento e execução de projetos.

Segundo Mirna Folco, analista do Núcleo Integrado de Engajamento da Fundação Renova, a metodologia propõe ativar os recursos da comunidade e conquistar parceiros, como empresas e governos locais. “Os moradores de cada localidade, como Revés do Belém, por exemplo, vivenciam na prática o resgate das histórias da comunidade, o mapeamento de recursos e talentos e, principalmente, os sonhos coletivos. A ideia do mutirão é a realização de um dos sonhos coletivos, seguido de uma celebração e do planejamento dos próximos passos para a realização de novos sonhos. O objetivo é o fortalecimento da comunidade como um todo”.

A construção da praça será o segundo módulo da Vivência Oasis. O primeiro foi realizado entre os dias 23 e 26 de novembro. “Em um trabalho de mobilização e escuta com outros moradores da comunidade, os participantes coletaram os sonhos coletivos, que se transformarão em realidade a partir do mutirão”, diz Mariana Azevedo.

Área onde será construída a quadra

Serviço

Mutirão “Mão na massa” – Vivência Oasis em Revés do Belém (Bom Jesus do Galho – MG)

Datas: 8 e 9/12 (sábado e domingo), de 9h às 18h – Local: Escola Estadual João Paulo II (rua dos Eucaliptos, 100).

 Sobre a Fundação Renova

A Fundação é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, constituída com o exclusivo propósito de gerir e executar, com autonomia técnica, administrativa e financeira, os programas e ações de reparação e compensação socioeconômica e socioambiental para recuperar, remediar e reparar os impactos gerados a partir do rompimento da Barragem de Fundão, com transparência, legitimidade e senso de urgência.

A Fundação foi estabelecida por meio de um Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas Vale e BHP, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente), em março de 2016.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentario!
Por favor, escreva seu nome aqui