Minas Gerais encerra o 3º trimestre com o maior desempenho no Sudeste

The cartons with loading out of container
PUBLICIDADE

Volume de serviço prestado no acumulado do ano foi de 8,4%

Análise dos dados do setor de serviços realizada pelo Núcleo de Estudos Econômicos da Fecomércio MG, aponta que apesar dos desafios mensais, o indicador no acumulado do terceiro trimestre revela que o Brasil mantém desempenho de 3,4%, enquanto Minas Gerais continua com volume mais robusto de 8,4%. As atividades de maior peso como transporte, serviços profissionais e de informação com bom desempenho, aliado a um cenário econômico mais favorável, faz com que as perspectivas para o último trimestre de 2023 apontam para um ambiente mais propício e convergindo para que o encerramento do ano feche nesse patamar.

- PUBLICIDADE -
Usiminas
Sesi – Senai
EXPO USIPA
Giganet
AAPI

O mês de setembro registra uma queda no volume de serviços prestados tanto em Minas Gerais (-0,6%) quanto no Brasil (-0,3%), marcando o segundo mês consecutivo de desaceleração. Já na análise anual revela uma quebra na tendência de crescimento nacional de -1,2%, enquanto Minas Gerais mantém seu crescimento em 4,3%. Setores como transportes e serviços de informação, anteriormente impulsionadores do indicador, agora apresentam desempenho negativo no Brasil, indicando mudanças no panorama econômico.

No acumulado 12 meses, o desempenho do volume de serviços prestados mantém-se superior ao acumulado do ano. O estado mineiro registra 9,1% enquanto o Brasil está em 4,4%. Nessa abertura o desempenho vem perdendo força com o passar dos meses. Ao abrir as atividades, apenas outros serviços no estado de Minas Gerais registrou desaceleração no acumulado 12 meses. 

Entre os estados do sudeste, Minas Gerais aponta o maior desempenho do volume de serviços prestados no acumulado do ano, seguido do Espírito Santo e Rio de Janeiro. Na contramão São Paulo registra desaceleração. Entre as Unidades da Federação, o estado mineiro chega em setembro com o oitavo maior desempenho, em contrapartida, os estados do Amapá e São Paulo registraram queda. 

Olhar Econômico, por Gilson Machado, economista da Fecomércio MG

O volume de serviço prestado em setembro registra queda frente ao mês de agosto, tanto em Minas Gerais quanto no Brasil, respectivamente, 0,6% e 0,3%. Vale frisar que esse movimento de desaceleração frente ao mês imediatamente anterior acontece pelo segundo mês consecutivo.

Na abertura anual, o Brasil quebra a tendência de crescimento ao longo de 30 meses e registra uma desaceleração de 1,2%, enquanto o estado mineiro registra crescimento de 4,3% e mantém sua tendência. É importante frisar que o desempenho na comparação anual vem perdendo força com o passar dos meses. Se, por um lado, transportes, serviços auxiliares aos transportes, correio e serviços de informação e comunicação foram o propulsor no desempenho do indicador, atualmente perdem força e registram desempenho negativo no Brasil, respectivamente, 2,2% e 0,7%.

Ao olhar para o estado mineiro, nota-se que os serviços prestados às famílias (-1,6%) vêm registrando desaceleração pelo segundo mês, após ficar 28 meses com desempenho elevado. Somado a isso, a atividade outro serviço segue registrando desempenho negativo há dois anos, o que corrobora para a perda de intensidade do indicador.

Porém, ao olhar para o acumulado no terceiro trimestre de 2023, observa-se que o Brasil está em um patamar do indicador de 3,4%, enquanto Minas mantém um desempenho mais elevado, de 8,4%. Sendo importante frisar que as atividades que respondem por mais de 80% do indicador seguem com desempenho elevado, o que, por sua vez, contribui para que o indicador caminhe para o último trimestre do ano com a tendência de fechar 2023 nesse patamar.

Entre as atividades no estado mineiro, o desempenho para transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (9,7%), serviços profissionais, administrativos e complementares (8,1%) e serviços de informação e comunicação (12,9%). Já no Brasil, o desempenho é menos intenso, respectivamente 3,4%, 3,9% e 4,2%. Contudo, em meio a um ambiente econômico melhor quando comparado ao último ano, com inflação amena, taxa básica de juros desacelerando, melhora no mercado de trabalho formal, que, por sua vez, reflete em mais dinheiro em circulação. E somado a isso, injeção de recursos por meio do 13º salário, sugere que o último trimestre do ano tende a ser melhor que o mesmo período do último ano.

Sobre a Fecomércio MG

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais integra o Sistema Fecomércio MG, Sesc e Senac em Minas e Sindicatos Empresariais que tem como presidente o empresário Nadim Donato. A Fecomércio MG é a maior representante do setor terciário no estado, atuando em prol de mais de 740 mil empresas mineiras. Em conjunto com a Confederação Nacional do Comércio (CNC), presidida por José Roberto Tadros, a Fecomércio MG atua junto às esferas pública e privada para defender os interesses do setor de Bens, Serviços e Turismo a fim de requisitar melhores condições tributárias, celebrar convenções coletivas de trabalho, disponibilizar benefícios visando o desenvolvimento do comércio no estado e muito mais.

Há 85 anos fortalecendo e defendendo o setor, beneficiando e transformando a vida dos cidadãos.    

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentario!
Por favor, escreva seu nome aqui